Tipos de vinhos

Muitas pessoas se atrapalham na hora de escolher um vinho. Mas isso pode mudar…

Isto acontece por não saberem ao certo as diferenças entre eles, inclusive, muitos confundem vinho suave com doce e vice-versa. E que atire a primeira rolha (ops, pedra) quem nunca encheu a taça (e a cara) com um vinho suave…

Quem está começando a beber vinho, naturalmente, pode se identificar mais com os vinhos que tendem a ser mais adocicados, isto é, aqueles com adição de açúcar. O ser humano, em geral, está mais propenso a ser atraído pelo sabor doce, já que quando crianças, os líquidos doces, sucos e refrigerantes fizeram parte, muitas vezes constantemente, desta época da vida.

Veja aqui alguns dos principais tipos de vinhos para você acertar na sua escolha:

Vinho tinto

Caracterizado por sua cor sangüínea, o vinho tinto é produzido a partir da fermentação do suco, ou mosto, extraído de uvas pretas ou tintas. Para a sua produção, é necessário que ocorra a maceração das cascas das uvas pretas no mosto, com o objetivo de conferir-lhe a cor e o sabor característicos. A maceração das cascas nada mais é do que deixá-las descansando no mosto. O tempo de maceração e o tipo de uva utilizado é que irão conferir o tom de coloração e a intensidade do sabor do vinho tinto.

 Vinhos Brancos

vinho branco tem uma cor dourada e um sabor frutado. Vinho BrancoPode ser produzido a partir de uvas brancas: “blanc de blancs”: ou de uvas negras: “blanc de noir”. Sim, o vinho branco pode ser produzido com uvas tintas. Diferentemente do vinho tinto, o branco é servido gelado e é ótima companhia para peixes e frutos do mar. A determinação da cor “branca” decorre da retirada das cascas da uva do mosto antes da sua chegada aos tanques de fermentação.

 Vinho Rosé

Nem tinto, nem branco. O vinho rosé possui tons que podem variar do alaranjado até a cor púrpura, dependendo do tipo de uva e da fermentação. Pode ser produzido de duas formas: por meio de uma cuidadosa mistura de vinho tinto com vinho branco; ou por uma leve maceração das uvas pretas no mosto. 

Espumantes

Muitos se habituaram a chamar o vinho espumante de “champanhe”, numa referência à preciosa bebida produzida na cidade de Champagne, na França. Conhecido como o “Rei dos Vinhos”, o champanhe só pode receber esta denominação quando produzido naquela região francesa. De uma forma geral, o mesmo tipo de vinho é chamado de espumante. Espumante porque, em sua composição, contam com forte presença de gás carbônico, gerando bolhas e espuma. Aqueles vinhos que não contam com estas bolhas recebem o nome de “tranqüilos”.

Para produzir um vinho espumante, os produtores acrescentam leveduras e açúcares a um vinho tranqüilo, iniciando um processo de “segunda fermentação”.

Uma dica: o Prosecco, vinho produzido na região do Vêneto, nordeste da Itália, é um espumante bastante famoso e consumido no Brasil. Mas nem todos os Proseccos são espumantes. Isso porque Prosecco é o nome da uva produzida naquela região italiana, cepa que é utilizada por alguns produtores também para a produção de vinhos tranqüilos. Portanto, embora quase sempre os Proseccos encontrados tenham as famosas borbulhas picantes, preste atenção no rótulo para ter certeza de adquirir um espumante, se essa for sua intenção.

Vinho de Sobremesa

São vinhos especiais, também chamados vinhos doces ou dessert wines. Sua principal caracteríistica é preservar parte do açúcar natural das uvas em sua elaboração, tornando-se doces.

É importante não confundir estes preciosos vinhos com vinhos suaves, os quais, apesar de também doces, são vinhos comuns que recebem açúcar externo após sua elaboração.

Na elaboração desses vinhos doces naturais é preciso se dispor de uvas especiais, nas quais se conseguiu uma concentração de açúcar muito mais alta que a normalmente obtida ao final da maturação.

A quase totalidade dos vinhos doces é produzida com uvas brancas, geralmente do tipo aromático: Gewurztraminer, Moscatel, Muscadelle, Malvasia. Outras uvas utilizadas são a Sémillon em Bordeaux, Furmint na Hungria, Riesling na Alemanha, Chardonnay no Novo Mundo.

Existem vários métodos para produzir essas uvas, alguns sendo tradição em países e regiões, principalmente na Europa.

 Vinho Seco/Demi Seco ou meio seco /suave / doce

Você sabe o que torna um vinho seco, meio seco, suave ou doce?

Se você respondeu que é a quantidade de álcool, errou!

O que diferencia vinhos secos, meio secos, suaves e doces são seus níveis de açúcar. Ou seja, a graduação de açúcar. O açúcar encontrado no vinho é proveniente da própria uva. Isso significa que o sabor adocicado dos vinhos provém da própria fruta, não da adição de açúcares como o da cana-de-açúcar.

Existem vinhos que recebem adição de açúcares para ficarem doces. Mas esses são feitos com uvas de menor qualidade, como a Isabel ou a Bordô.

Cada país tem uma classificação legal para dizer se o vinho é suave, meio seco ou seco. Essa classificação é feita de acordo com a quantidade de açúcar em gramas/litro contida no vinho.

O vinho o seco é o chamado vinho fino de mesa, e é elaborado com uvas nobres, como Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, entre outros da espécie vítis vinífera. Eles são feitos com baixo teor de açúcar, naturalmente da uva, e chega a ter 3,5 gramas de açúcar por litro.

A confusão em relação ao termo seco vem da tradução da classificação francesa. A palavra “sec”, em português, quer dizer seco. Só que palavras correspondentes possuem sentidos diferentes em cada língua.”No francês, seco não se refere apenas a algo que não é úmido.

No vinho o meio seco (Demi-sec) devemos encontrar um traço nítido de doçura. Segundo a Legislação, esses tipo de vinho pode conter de 5,1 g/L até 20 g/L de açúcar residual.

A falha principal é o tamanho desse intervalo. Um vinho com 5,1 g/L de açúcar é, em boca, muito diferente de outro que apresenta 20 g/L e por isso existem vinhos demi-sec que, para alguns, se assemelha mais a vinhos secos ou mais a vinhos suaves. Depende muito do paladar de quem os degusta.

Já o vinho suave é uma bebida de qualidade mais baixa, elaborado com uvas comuns de espécies americanas, como Concord, Herbermont, Niágara, Isabel e outras. Estes vinhos sempre possuem alto teor de açúcar, acima de 20 gramas por litro, sendo este adicionado ao vinho. Não tem os mesmos benefícios à saúde que o vinho seco.

O vinho doce é sofisticado, e é essencialmente uma bebida para acompanhar sobremesas, ou até mesmo servir de sobremesa devido ao seu nível concentrado de açúcar residual – são muitas as qualidades dos vinhos doces, assim como são muitos os preconceitos que sofrem por causa de suas características bastante específicas. Seus sabores ricos e aromas intensos são típicos, sua produção tem características peculiares, sua degustação pode variar, pode até mesmo parecer um desafio para quem está acostumado a beber vinhos mais ácidos, tânicos ou secos.

O fato é que os vinhos doces ou licorosos não devem ser confundidos com os chamados vinhos suaves, de qualidade considerada inferior, pois, ao contrário destes, seu açúcar é proveniente de forma exclusiva e naturalmente das uvas. O preconceito que sofrem talvez venha daí, mas basta um pouco mais de informação para descobrir que os vinhos doces são bastante saborosos, alguns, inclusive, estão entre os mais caros e apreciados do mundo.

De forma resumida, os vinhos doces são produzidos através de métodos especiais para retenção de açúcar nas uvas. Eles podem ser elaborados através de variedades de uvas cujos níveis de açúcar são grandes, a partir de uvas cuja colheita tardia permite seu amadurecimento completo e, portanto, com maior doçura, ou através da interrupção brusca do processo de fermentação das frutas com o acréscimo de destilados de uvas.

Existem tipos variados de vinhos doces e licorosos. Sua elaboração é realmente mais complexa, passam por vários processos, e recebem com frequência acréscimos de álcool vínico no seu processo de fermentação, resultando vinhos fortificados. As variações de vinho doce (e seus respectivos nomes) são de acordo com seu local de origem.

fontes: mundovinho.com.br
guiadovinho.com.br
academiadovinho.com.br
adegadovinho.com.br
clubedosvinhos.com.br

Deixe o seu comentário

Comentários

Leia outros artigos sobre a Semana Sommelier
Mostrar
Esconder